+55 (11) 937.049.607


Amy Winehouse aproveita a tarde de sol , na piscina do hotel onde está hospedada no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, 7/1/2011 Foto: Marcos de Paula/ Estadão

A jovem cantora inglesa, Amy Winehouse, apareceu pela primeira nas páginas do Estadão em 2007. A matéria a descrevia como uma artista de “perfil intrépido e não fabricado”.

Na época, com apenas 23 anos de idade, um single de sucesso, Rehab e com seu álbum, Back to Black (2006) sendo considerado “o melhor álbum de soul music em anos”, a cantora tinha sua voz comparada a grandes nomes do Jazz e da Soul Music como Etta James, Aretha Franklin, Shirley Bassey, Macy Gray, Sara Vaughan.

> Estadão – 07/3/2007

> Estadão – 07/3/2007 Foto: Acervo Estadão

Amy era exaltada como uma intérprete capaz de “extrair substâncias revigorantes de velhas fórmulas, como que reatando o elo perdido para um estágio posterior”. A matéria de Lauro Lisboa fechava com uma profecia, que se mostraria verdadeira,”ela tem cacife suficiente para deixar marca própria na moderna soul music.

A cantora Amy Winehouse se apresenta em São Paulo, SP. 16/01/2011 Foto: Daniel Teixeira/ Estadão

Continua após a publicidade

> Estadão – 30/12/2007

> Estadão – 30/12/2007 Foto: Acervo Estadão

No ano seguinte, os cinco prêmios Grammy de 2008– de artista revelação, canção, gravação, álbum pop-vocal e melhor cantora, um recorde na época – indicaram o estrondoso sucesso de Amy, o fato de ela não estar presente na cerimônia – ela teve o visto negado pelos Estados Unidos por ter sido detida por posse e consumo de drogas – contava a outra parte da vida da jovem artista, sua luta contra dependência química e alcoólica.

> Estadão – 12/02/2008

> Estadão – 12/02/2008 Foto: Acervo Estadão

Ambos, o sucesso e as drogas, marcaram sua breve e meteórica carreira, encerrada de forma trágica e precoce. Amy foi encontrada morta por overdose de álcool, aos 27 anos de idade, em 23 de julho de 2011. Sua trajetória contou memoráveis hits, como Back to Black, Tears Dry On Their Own, I’m no Good, Just Friends, para citar alguns.

Continua após a publicidade

> Estadão – 25/7/2011

> Estadão -25/7/2011 Foto: Acervo Estadão

No Estadão de 25 de julho de 2011, o texto do professor Francisco Foot Hardman, apontou a importância da intérprete para a cultura contemporânea: “Amy, na melhor e mais sublime linhagem do alto romantismo da cultura pop, trouxe para o século 21 a força do canto e da poesia condensadas numa voz que tinha algo do mágico timbre de deusas como Billie Holiday e Janis Joplin.”

> Estadão – 25/7/2011

> Estadão – 25/7/2011 Foto: Acervo Estadão

Como na matéria de 2007, a comparação com grandes nomes da música pareciam não dar conta de explicar a mágica vocal da cantora inglesa, que com sua partida deixa a incógnita: algum dia a música nos apresentará um nome a ser comparado ao de Amy?

Veja mais matérias sobre Amy Winehouse no Acervo Estadão e relembre a temporada de shows no Brasil em 2011, onde os fãs puderam conferir apresentações em Florianópolis, São Paulo e Rio de Janeiro:

Continua após a publicidade

>Estadão – 07/7/2008

> Estadão – 07/7/2008 Foto: Acervo Estadão

> Estadão – 08/01/2011

> Estadão – 08/01/2011 Foto: Acervo Estadão
A cantora inglesa Amy Winehouse aproveita tarde de sol na piscina do hotel onde esteve hospedada no bairro Santa Teresa, Rio de Janeiro, RJ. 07/01/2011. Foto: Wilton Junior/Estadão

>Estadão – 06/01/2011

> Estadão – 06/01/2011 Foto: Acervo Estadão

Continua após a publicidade

Show de Amy Winehouse na Arena HSBC, Rio de Janeiro, RJ, 10/01/2011. Foto: Fabio Motta/ Estadão

> Estadão – 10/01/2011

> Estadão – 10/01/2011 Foto: Acervo Estadão

+ ACERVO

> Veja o jornal do dia que você nasceu

> Capas históricas



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *