+55 (11) 937.049.607




Camila Bairros, torcedora que gravou seu amor pelo Timão na pele. Foto: Arquivo Pessoal

O Corinthians tem uma decisão importante nesta terça-feira (29) contra o Estudiantes, pela CONMEBOL Sudamericana. Mas pelo menos uma pessoa do staff argentino vai ficar com o coração dividido. E ela nem esconde sua paixão, tatuada no pulso. “Em 2012, no dia da final contra o Boca Juniors, decidi que queria uma tatuagem do Corinthians. Mas só fui fazer um tempo depois, às vésperas da final do mundial, contra o Chelsea. Ou seja, a tatuagem é muito importante para mim, pois ela deu muita sorte”, lembra Camila Bairros, que além de colaborar com o time local, é estudante do segundo ano de medicina da Universidad Nacional de La Plata (UNLP).

Mas como Camila e seu amor gravado na pele foram parar no meio dos pincharratas, os torcedores de nosso adversário desta terça? Primeiro, porque ela é brasileira, natural de Nova Hartz-RS. E entrou para o bando de loucos ainda criança, apesar da família majoritariamente gremista. “Nos anos de 1990, quem mais estava em evidência na televisão era o Corinthians. E eu lembro que na época eu via muitos gols de falta do Marcelinho Carioca e acabei virando corinthiana por causa dele”, explica.


Desde criança, sempre teve orgulho de torcer pelo Corinthians, mesmo em uma família de gremistas. Foto: Arquivo Pessoal

Desde que se mudou para estudar em La Plata, em 2020, Camila aprendeu a amar um novo time: o Estudiantes. “Fui morar em um apartamento onde eu conseguia ver as luzes do estádio (Jorge Luis Hirschi, casa do Estudiantes). E como eu nunca pude viver um jogo dentro de um estádio, morria de vontade de ver uma partida lá.” 

Porém a pandemia de Covid-19 adiou seus planos, assim como a morte de um tio muito querido no Brasil. Ela trancou a faculdade, voltou para o Rio Grande do Sul, e só retornou para a Argentina em 2022. “Conheci uma amiga que me levou ao estádio dos Estudiantes pela primeira vez e esse jogo me marcou, pois era exatamente o dia do aniversário do meu tio que havia falecido, ele era como um pai para mim. E simplesmente me apaixonei pela experiência, principalmente a torcida”, relata Camila, que se tornou sócia do Estudiantes para poder ir em todos os jogos.


Camila no Estádio Jorge Luis Hirschi, casa do Estudiantes. Foto: Arquivo Pessoal

Graças ao calendário da CONMEBOL Sudamericana deste ano, na qual despontaram vários encontros do time de La Plata contra rivais brasileiros, surgiu outra oportunidade para Camila. Ela recebeu um convite para gravar locuções em português, para orientar os visitantes no estádio durante partidas contra equipes do Brasil.

Quem fez a ponte para que ela virasse a voz oficial em português nos jogos dos Estudiantes foi Luis Alvares Gelves, um dos dirigentes do clube, que se tornou amigo de Camila. “Ela transferiu sua paixão pelo futebol para La Plata e obviamente, sendo torcedora de um clube gigante como o Corinthians, não poderia escolher outro grande clube da Argentina se não o Estudiantes”, afirmou ele, com exclusividade ao Corinthians.com.br e ao Universo SCCP, durante sua visita à Neo Química Arena para o jogo de ida das quartas-de-final. “Camila colabora muito conosco, é a voz em português do estádio e uma excelente anfitriã para amigos do Brasil que visitam La Plata ou estudam lá. Ela se identifica muito com nossos valores e cores”, complementou Luis Alvares, que é coordenador institucional do clube.


Luis Alvares e Camila Bairros (centro). Foto: Arquivo Pessoal

Encontro de gigantes

Quando saiu o chaveamento da competição continental e viu que poderia acontecer o confronto entre Corinthians e Estudiantes, Camila ficou muito apreensiva. E quando o duelo foi confirmado, o coração meio alvinegro e meio alvirrubro ficou apertado. “A ficha só foi cair de fato na véspera do jogo que ocorreu em São Paulo. Eu mal consegui dormir, tive ansiedade, pois eu não sabia como seria, como eu iria reagir. As pessoas vinham me perguntar como eu estava me sentindo e eu só respondia que não sabia, pois era muito difícil definir um sentimento. Para mim é como ter que escolher qual dos filhos eu gosto mais.”

A estudante não conseguiu viajar para São Paulo para acompanhar o primeiro jogo do confronto de 180 minutos entre as duas equipes, mas estará no estádio no duelo decisivo de hoje.


Bairros acompanhou o primeiro confronto das quartas de final com o coração dividido. Foto: Arquivo Pessoal

“Nunca na minha vida eu pensei em escolher outro time que não fosse o Corinthians. Nunca tive um segundo time, eu sempre fui apenas Corinthians e na minha vida sempre foi assim, ainda mais no meio de uma família de gremistas”, confidencia. “Sonhava em ver os meus jogadores preferidos de perto, como Cássio, Renato Augusto, Yuri Alberto e até o Matías Rojas, que jogou aqui na Argentina. Então, esse sentimento está sendo bem difícil. É como se eu estivesse traindo alguém, em ter que escolher para quem eu vou torcer neste confronto.”

“Hoje, o Estudiantes é a minha família, mas o Corinthians sempre vai ser o amor da minha vida. Eu estou completamente dividida, só torço para que seja um duelo lindo e que vença o melhor”, finalizou Camila.  


Com Renato Augusto, na chegada da delegação corinthiana em La Plata. Foto: Arquivo Pessoal




Tags: Futebol, Institucional, Notícias

Categoria(s): Futebol, Institucional





Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *